As quatro etapas do marketing pessoal

Google Imagens


Outro dia estava lendo um material da Rock Content sobre Inbound Marketing e percebi o quanto isso é aplicável para fazermos o nosso marketing pessoal.

O Inbound Marketing ou Marketing de Atração nada mais é do que atrair com estratégias para que os seus leads (clientes) cheguem até você.


O processo do Inbound Marketing é dividido em quatro etapas. São elas:

1) Atrair: a primeira etapa da metodologia Inbound é fazer com que estranhos se tornem visitantes regulares, por meio de conteúdo relevante.
2) Converter: o objetivo de conseguir um grande número de visitantes é converter o máximo deles em leads, ou seja, transformá-los em oportunidades reais de venda.
3) Vender: depois de nutrir os leads gerados usando mais conteúdo relevante, é preciso avaliar quem está no estágio certo e fechar a venda.
4) Encantar: a relação com o cliente não termina depois da compra. Pelo contrário, agora começa uma nova jornada, que visa encantá-lo a fim de que se torne um promotor da marca e atraia mais clientes para o seu negócio. 

Se traduzirmos isso para aplicarmos no nosso marketing pessoal teríamos a seguinte definição (no meu ponto de vista) para cada etapa:

1) Atração: produzir conteúdo relevante para que pessoas visitem o seu perfil.
2) Converter: não basta apenas ter visitantes no seu perfil, você tem que torna-los fieis frequentares que acompanhe o seu conteúdo.
3) Vender: eu diria que este é o famoso "dar a cara a tapa", mas com moderação.
4) Encantar: dizem que a melhor propaganda é o boca a boca. Quanto mais interessante e relevante o seu conteúdo for, mais o seu nome será divulgado, seu conteúdo acessado e perfil visitado.



Que estratégias você tem adotado para ser encontrado?

Reflexão #4

O MEDO DE FALAR EM PÚBLICO
As pernas começam a tremer? Começa a transpirar? Já sente um medo antecipado de esquecer o que ia falar? Começa a sentir um nervosismo e ansiedade? Calma que você não está sozinho(a) nessa.
Um estudo realizado em 2015 pelo jornal britânico "Sunday Times", mostrou que 41% dos entrevistados tem receio de falar em público (foram ouvidas 3 mil pessoas no Reino Unido), em seguida teve o temor de conviver com problemas financeiros (22%) e o medo de doenças e da morte (19%).

Não existe uma fórmula mágica que resolva isso de uma vez por todas. É como diz aquela frase "a prática leva a perfeição." Acredito que sentir esse medo é uma condição humana, ninguém é perfeito.

O medo maior não é o de falar em público, mas sim o de sermos julgados por quem nos vê ou escuta. Estamos vivendo em uma sociedade em que somos julgados o tempo todo.

A lição da vela acesa


Após alguns meses buscando por recolocação, surgiu a oportunidade de fazer um curso totalmente gratuito oferecido pelo governo do estado de São Paulo. Não vou entrar em muitos detalhes aqui, mas caso alguém se interesse o curso é conhecido como PEQ (Programa Estadual de Qualificação) é só dar uma buscada no Google que você irá encontrar informações necessárias.

No último dia do curso a instrutora do curso fez uma dinâmica com a turma. Acendeu uma vela e cada um tinha que comentar o que achou do curso, quais suas expectativas, o que aprendeu e qualquer outra comentário que julgasse necessário e que fosse acrescentar a experiência que a turma teve em um mês.

Ao final, a instrutora explicou o porque da vela e porque ela tinha continuar acesa. Caso ela apagasse, era só acende-la novamente.

A felicidade pode ser encontrada mesmo nas horas mais difíceis, se você lembrar de acender a luz. - Alvo Dumbledore (Harry Potter)

Durante sua explicação eu me lembrei da frase acima e o quanto ela tinha semelhança com o que estava sendo explicado.

Moral da história: Se um dia apagarem a sua luz, não se deixe abalar por conta de acontecimentos externos. Acenda novamente e siga em frente. Vai ter muita adversidade, mas não desista. Transmita a sua luz para a vida das pessoas até o último instante da sua vida. Seja luz na vida das pessoas.

Mobilidade urbana no Brasil ainda é um desafio

Freepik


Quem nunca perdeu tempo parado no trânsito que atire a primeira pedra. Em horários de pico nas grandes metrópoles do país então nem se fala. Saiba que você não esta sozinho nessa. Esse é um problema que afeta todas as classes sociais, não importa se você dentro de um ônibus ou no seu carro.
 
Durante a copa do mundo de 2014 muito se falou sobre os supostos benefícios voltados à população sobre o tema e estes ocuparam um lugar de destaque.

Problemas como excesso de veículos nas vias, trânsito violento, vias precárias e transporte público que não oferece muita vantagem para seus utilizados são assuntos estão conectados quando o tema é mobilidade.

A Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) divulgou em 2016 um relatório com dados do mesmo ano sobre o tempo gasto no deslocamento. Abaixo informações sobre esses dados:





A mesma pesquisa indicou que:

83% dos que usam o carro todos os dias ou quase afirmam que com certeza ou provavelmente deixariam de usá-lo se houvesse uma boa alternativa de transporte.


Um mal-estar coletivo para quem utiliza o transporte público é o tempo em que gasta dentro desse meio de transporte, principalmente nos trajetos da casa para o trabalho e vice-versa, isso sem mencionar o aumento abusivo da passagem do transporte público.

Mais tem outra coisa que incomoda (e muito) quem utiliza desse meio para se locomover: o aumento das passagens. 




O aumento abusivo das passagens é uma situação que causa certa indignação para quem utiliza esse meio de transporte e vê a passagem aumentar sem receber nada em troca. Não existe uma melhoria no transporte, muitas vezes não acaba tendo um aumento da frota para diminuir a lotação nos horários de pico, que é o horário em que a população mais sofre, algumas pessoas chegam a ficar um longo período de tempo para chegar ao trabalho/casa e vice-versa.  Resumindo: o serviço ofertado não condiz com a realidade.

Quem utiliza o transporte público sabe o quanto todos esses e entre outros problemas afetam o cotidiano de quem depende de um transporte que não oferece o mínimo de conforto. O foco deve ser a mobilidade das pessoas e não dos transportes.

5 mitos sobre o networking



1) É para extrovertidos: se você é tímido não fique fora dessa e aumente a sua rede.  Já parou para refletir que em algum momento até os mais extrovertidos já foram um pouco tímidos?

2) É feita quando todo o “trabalho real” é feito: networking pode ser realizado antes, durante e depois. Não pense em realiza-lo em apenas uma etapa específica. Isso é coisa da sua cabeça e a realidade é outra.

3) É apenas sobre política e progredir: te garanto que conforme você for se socializando com as outras pessoas irá perceber que não é só sobre isso.

4) É falso e manipulador: tem muita gente verdadeira e quer crescer, trocar uma ideia, trocar experiência e depoimentos.

5) É sobre quantos contatos você tem: sabe aquela frase sobre qualidade e não quantidade? É aqui que ela se encaixa.


Cultivar é tão importante quanto criar.